segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Toxina Botulínica: Posicionamento do Portal da Medicina Oral

CFO age e limita uso de toxina botulínica e ácido hialurônico

Postado em

O assunto é polêmico e gerará inúmeras discussões, mas, de forma acertada, o CFO restringiu o uso das substâncias com finalidade cosmética facial, o que não é do escopo da Odontologia. Certamente será alegada invasão da atividade profissional por CDs que já fazem uso destas substâncias com este fim, mas as justificativas do CFO não dão margem a discussões.

As situações que necessitem de complementação cosmética facial poderão ser realizadas por profissionais do campo da Dermatologia e Cirurgia Plástica, que, historicamente, já laboram neste campo. Isto é multidisciplinaridade.

O CFO, entretanto, teve o cuidado de não estender a limitação do uso da toxina botulínica às situações funcionais onde há prejuízo da função mandibular, o que é da competência do CD, mas que também poderá ser abordado, de forma multidisciplinar, por Neurologistas.

Apesar de estar de acordo com o CFO nesta resolução de limitação do campo profissional do CD, acredito que também seja importante que o CFO tenha o mesmo compromisso de limitação do campo de atuação da Odontologia protegendo-a da invasão de outras especialidades em suas áreas de atuação, por exemplo, as recém criadas “Dermatologia Oral”, onde Dermatologistas se oferecem para tratamento de lesões bucais em claro confronto com a Estomatologia, e a “Cirurgia Craniomaxilofacial”, onde Cirurgiões de Cabeça e Pescoço, Cirurgiões Plásticos e Otorrinolaringologistas realizam procedimentos do escopo da Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial.

Os dois pesos devem ter a mesma medida.

Isto é justiça.

4 comentários:

  1. Prezada Cecília e demais colegas.
    Acho complexo o tema e as alegações do Dr. Enio muito pertinentes, mas acredito que a atuação do CBMF (e de outras áreas da Medicina Oral) deve ser vista de forma diferente da do clínico geral que envereda pela cosmética facial.
    Entendo a utilização pontual do ác. hialuronico, da t. botul. e da lipoaspiração de mento em situações específicas, mas não concordo com a disseminação da técnica para toda Odontologia.
    Outros pontos da discussão também podem ser vistos no link http://medicinaoral.org/blog/2011/09/11/cfo-age-e-limita-uso-de-toxina-botulinica-e-acido-hialuronico/#comments

    ResponderExcluir
  2. O post acima é de minha autoria.
    Não consegui identificar direito.
    Paulo Pimentel
    CRORJ 15822

    ResponderExcluir
  3. Realmente acredito na multidisciplinaridade, quando há realmente um trabalho em conjunto, sabemos que isso não acontece na nossa classe junto à classe médica, ao contrario sempre sofremos repressões ou esquecemos o absurdo do Ato Médico?
    Eu nunca recebi encaminhamento de Médico para avaliação oclusal pré-bioplastia, e foi bem argumentado a necessidade disso na própria literatura médica conforme anexei a carta.
    Respeito a sua opinião e até poderia concordar em completo com essa posição se o preenchimento facial fosse realizado somente por profissionais capacitados na área médica, ou se fosse uma especialidade Médica, mas é um procedimento que pode ser realizado por qualquer Médico independente de sua especialidade.
    Diferente do que se pensam os cursos de bioplastia são de curta duração, são cursos de capacitação, ou seja, passamos cinco anos estudando todo o sistema estomatognático que associando à capacitação em bioplastia, nos transformamos em incríveis profissionais, seguros e capazes de oferecer um tratamento compensador mais harmonioso e quase indolor para os pacientes, diferentemente de outros profissionais que não orientam seus pacientes ao real problema (Ortodôntico Cirúrgico), e saem aplicando indiscriminadamente materiais de preenchimento facial em seus pacientes.
    Retificando: O que está em questão não é o procedimento, isso já é realizado por Bucomaxilo há muito tempo, a questão é em relação à restrição ao uso do material, considerando que vem sendo feito pesquisas com o ácido hialurônico e comprovando sua eficácia não só na enxertia óssea como no seu emprego como material ósseo indutor nas terapias pulpares.
    Minha intenção nessa postagem é tornar claro o uso terapêutico do ácido hialurônico na odontologia, e que por se tratar de algo “novo” muitos formam opiniões errôneas sobre o produto, voltadas somente para seu uso estético, em relação à toxina ela nunca foi liberada para uso estético em odontologia. Aproveito aqui deixo o convite a todos para que pesquisem sobre essa substância e veja as maravilhas que ela está fazendo em nível de satisfação mundial.
    Um forte abraço

    Dr. Enio Rubens

    ResponderExcluir
  4. Discussão pertinente e construtiva.

    Talvez um curso curto seja suficiente para um cirurgião-dentista com boa vivência em cirurgia ou em DTM e Dor Orofacial (em meu curso de aprimoramento, fazíamos injeções em trigger points) ou com habilitação em acupuntura...

    Como os exemplos acima não são regras, e sim exceções (muitas pessoas estão estudando o tema visando ampliar o nicho de atuação e de renda, puramente), Há de se exigir habilitação (nos moldes do que houve com as terapias integrativas e complementares) ou carga horária mínima nos cursos de formação na área, a fim de evitar iatrogenias e desvalorização da classe odontológica como um todo.

    ResponderExcluir